Número total de visualizações de página

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Grito


Há um tempo atras prometi
Ser sincera comigo mesma!
Portanto tenho que dizer,
Melhor, gritar
Aos sete ventos
O que estou a sentir!

Quer faça sol,
Chuva ou vento,
Quero que o grito
Chegue a ti!

Não importa a distancia!
Se apenas te chega
Um murmúrio
Ou o grito inteiro.

Precisas saber,
Precisas ouvir,
Precisas perceber,
O que não consigo
Mais guardar,
Esconder!
Eu amo-te com todas as minhas forças!

Não me importa que sejas “puto”
Pouco me interessa
A tua altura,
A tua mentalidade…
Quero-te por seres tu próprio!
Por me teres 
Ensinado a amar,
Por fazeres com que
Acreditasse em mim,
Por me ensinares
A sonhar novamente,
Por teres estado
Quando necessitava…!

De cada vez que te vejo
E como se fosse a 1ª vez!
O meu coração enlouquece!

Ele pula,
Ele abana,
De uma forma
Que quase me mata!

Mas quando te afastas
Ele pára,
Cessa rapidamente
Ficando o vazio, apenas,
Como minha companhia!

Ouve bem:
És o único que me faz feliz!
É por ti! Só por  ti,
Que este pobre coração bate!
Es o meu Sol,
A minha essência,
A minha vida!

Sem ti murcho por dentro
Como as pétalas de uma flor!
Por isso, não posso,
Não quero,
Não abro a mão de ti!
Nunca! <3

domingo, 13 de novembro de 2011

Vazio

Onde estou?
Não reconheço nada nem ninguém
Onde estão todos?

Aqui, tudo é escuro,
Tudo é vazio!
Não vejo nada,
Não alcanço nada.
Estou confusa!


Como vim aqui parar?

Não oiço nada,
Não há ruídos...
Não oiço o vento, 
Não oiço as folhas das árvores,
Não oiço as gaivotas,

Não vejo o azul do céu,
Não vejo o verde dos campos...
Aqui, tudo é cinzento,
Aqui, nada vejo,
Apenas há nevoeiro!

Um vazio me percorre

Sinto-me sozinha!
Eu estou sozinha!

Onde estão?
Não me deixem!
Tenho medo, 
Tanto medo...
Eu não quero ficar aqui!
Mas a culpa é minha!
Não me deveria ter aventurado
Por caminhos que não conhecia,
Não deveria ter confiado
Em pessoas que de pouco sabia!!

Demoram?
Quero descobrir, de novo,
O céu,
O Sol,
Quero voltar a viver!
Por favor, levem-me!
Não quero morrer,
Não sozinha!
Salvem-me!
Não sei onde estou!

Sei que estou em algum lugar
Mas aqui não há nada!
Nem um banco de jardim,
Nem uma árvore
Para me situar!
Tenho medo!
Procurem,
Busquem,
Encontrem-me!